Ofertas de serviços farmacêuticos são apostas nas farmácias e drogarias 

Há mais de cinco anos, houve a mudança no conceito de farmácia no Brasil. Com a publicação da Lei nº 13.021/14, farmácias e drogarias deixaram de ser apenas estabelecimentos comerciais para se transformar em unidades de prestação de assistência farmacêutica, assistência à saúde e orientação sanitária individual e coletiva. Com isso, uma porta foi aberta para fidelizar clientes e aumentar os lucros dos estabelecimentos.

A mesma lei reitera a obrigatoriedade do farmacêutico nas farmácias de qualquer natureza e determina que apenas o farmacêutico pode exercer, nestes estabelecimentos, a responsabilidade técnica. 

Já a  RDC Anvisa nº 44/09 determina os serviços farmacêuticos passíveis de serem prestados em farmácias e drogarias, a fim de acompanhar o estado de saúde do usuário e avaliar a eficácia do tratamento prescrito. 

Fazem parte dos serviços de atenção farmacêutica: 

  • a atenção farmacêutica domiciliar;
  • a aferição de parâmetros fisiológicos (aferição de pressão arterial (PA) e temperatura corporal) e bioquímico (aferição de glicemia capilar);
  • e a administração de medicamentos (inalação e aplicação de injetáveis).

Muitas redes de farmácia passaram a implantar o serviço de atenção farmacêutica. Em 2018, de acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), existiam aproximadamente 780 farmácias que desenvolviam atendimentos farmacêuticos para a população em clínicas específicas, dentro dos estabelecimentos. Apesar disso, o número ainda é pequeno, se comparado às mais de 80 mil farmácias e drogarias privadas que existem no território brasileiro. 

Experiência

Para o farmacêutico Augusto Pinto, que é proprietário de uma drogaria no bairro da Redenção, em Manaus, o oferecimento de serviços farmacêuticos pode ser considerada uma boa estratégia para fidelização do cliente e ampliação de ganhos.

“Com o mercado super competitivo, onde as grandes redes vêm a cada dia abrindo mais lojas, com preços que não temos como competir, vejo os serviços farmacêuticos como a ‘galinha dos ovos de ouro’ para as drogarias independentes. É algo muito promissor e lucrativo. É extremamente importante para o usuário ter uma assistência farmacêutica voltada aos cuidados farmacoterapêuticos dando mais segurança para os clientes”, afirma. 

O farmacêutico Augusto Pinto explica que a abordagem dos clientes ocorre ainda no balcão, com as demandas trazidas por eles. A partir disso, é entregue uma prescrição com observação sobre horários, duração de tratamento, possíveis reações adversas, como preparar uma solução, além de informações sobre o armazenamento e tempo de uso. 

O profissional destaca que também “acompanha clientes que fazem uso contínuo de medicamentos como descongestionantes nasais, anti-inflamatórios, pílulas do dia seguinte, analgésicos…”

“É necessário criar o espaço para desenvolver a relação do cuidado. Inicio oferecendo aos pacientes uma proposta de educação em saúde, mas observo, ao ritmo das suas necessidades, alguma outra oportunidade de outros serviços a serem prestados. Priorizo nos primeiros encontros me informar sobre a história do paciente. Nessas conversas vou abordando os aspectos importantes sobre o tratamento e a condição de saúde. Cada caso é diferente, cada cuidador tem uma abordagem, mas não pode faltar nessa relação o vínculo terapêutico e a confiança que o paciente deposita no profissional”, explica. 

Problemas de saúde

O profissional relata que a drogaria por muitas vezes é a primeira porta de acesso de pessoas que são acometidas por algum problema de saúde. A demanda é variada e muitos problemas são descobertos por pacientes que se automedicam ou que na abordagem apresentam sinais e sintomas que caracterizam problemas de saúde mais sérios como hipertensão ou diabetes, que demandam maior acompanhamento e cuidado.

Ele comenta que já encaminhou pacientes com suspeitas de IST (sífilis), hanseníase, leishmaniose, escarlatina, apendicite, herpes zoster, colecistite, nefrolitíase, entre outras. Sendo os casos mais comuns: escabiose, larvas migrans, tineas, dermatites e rinites.

Cultura

Ainda de acordo com o farmacêutico Augusto Pinto, há certa resistência a respeito desse tipo de serviço por parte da categoria, outros profissionais e clientes.

 “Como venho fazendo um trabalho de formiguinha há um tempo, tenho conseguido executar meus serviços. Já existe uma boa aceitação por parte dos médicos das UBS's, SPA's, dentistas que enviam pacientes para aferir pressão e glicemia antes dos procedimentos, além  dos clientes que já conhecem meus serviços e me procuram espontaneamente”, conta. “Tem sido uma experiência muito positiva, com uma boa receptividade por partes dos clientes. Acredito  que os fatores mais importantes para esse resultado sejam a empatia, a credibilidade transmitida, a segurança, habilidade técnica e científica naquilo que estamos orientando, numa linguagem simples para o paciente assimilar melhor e conseguir colocar em prática tudo que foi exposto”.