Conselheiro Federal pelo AM, Marcos Aurélio diz que Estado tem posição de destaque em Brasília

O conselheiro federal de Farmácia pelo Amazonas, Marcos Aurélio Ferreira da Silva, ressalta a posição de destaque do Conselho Regional de Farmácia do Amazonas (CRF-AM) dentro do Conselho Federal de Farmácia (CFF) ao longo de 2019. Muito se deve à excelente parceria entre a diretoria e os representantes do Estado em Brasília. Para ele, 2020 deverá ser desafiador para os farmacêuticos, principalmente, pelos debates sobre a profissão neste novo ano.

Em seu segundo mandato, Marcos Aurélio representa a categoria farmacêutica amazonense no plenário do CFF. Além de suas atribuições, ele também atua em duas comissões: a Comissão de Legislação e Regulamentação (COLEG) e a Comissão de Tomada de Contas (CTC). 

O conselheiro garante que atualmente que a atuação do Amazonas ganhou grande notoriedade em Brasília. “As ações da fiscalização no interior e Capital foram destaque na Reunião anual de Fiscalização, como também pela forma de gestão moderna aplicado em nosso Regional, elevando nosso trabalho e colocando o Amazonas entre os melhores Regionais do Brasil. Isso, é importante que se diga, graças ao trabalho da Diretoria amparado pelo Conselheiros Federais. Saliento que a nossa contribuição de destaque foi a liberação de recursos para a fiscalização no interior na locação de embarcações, como também a liberação de recursos para aquisição de novos veículos para os fiscais”. 

Para Marcos Aurélio, a parceria entre os Conselheiros Federais e a Diretoria do Regional deveria ser exemplo para outros Regionais. “Tudo que for de interesse profissional se dá através de reuniões e sempre prevalece o bom senso, sem que egos sejam exaltados. Tudo é feito de forma clara e transparente. Isso foi acordado desde o início, e tem dado muito certo”. 

Plenário

Em 2019, o plenário do CFF aprovou resoluções que ampliaram a gama de atuação de farmacêuticos, além da regulamentação dos cursos livres de formação complementar. Pela primeira vez na história das entidades, as anuidades não sofrerão o reajuste em 2020, por conta de resolução aprovada em plenário que disciplina o pagamento das anuidades. 

Foram também destaque dentro do plenário os debates sobre projeto que defende a venda de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs) em supermercados, do qual o CFF se posiciona contrariamente, e a proibição de inscrição e o registro pelos conselhos regionais de alunos egressos de cursos de Farmácia realizados na modalidade de Ensino à Distância (EAD).

“Nossa profissão é muito atacada por interesses comerciais, desviando a atenção da atividade profissional para o comércio de medicamentos da maneira que atenda os interesses comerciais e não os profissionais. Isso é muito perigoso e, infelizmente temos Deputados e Senadores nos atacando com Projetos de Leis nocivos à saúde da população. Mas estamos trabalhando sempre contra isso. Porém sou um otimista incorrigível. Não desanimo e peço que Deus me dê forças para continuar lutando por uma profissão de futuro, moderna, atuante e respeitada”, afirmou.