Ação conjunta de fiscalização apura denúncias de irregularidades  em UBSFs da capital

Dando início ao plano de fiscalização desenvolvido para 2018 pela atual gestão, o Conselho Regional de Farmácia do Estado do Amazonas (CRF-AM) realizou ontem (10), em parceria com Conselho Regional de Enfermagem do Amazonas (COREN-AM), uma ação conjunta  de fiscalização nas Unidades Básica de Saúde da Família (UBSF) L27 e L29, localizadas no bairro Coroado I e III, Zona Leste de Manaus.

 A ação segue a proposta de estabelecer parcerias para o êxito das atividades e tem como objetivo, garantir o cumprimento da lei 13.021 por meio da presença de farmacêuticos nas unidades de saúde pública, como também o cumprimento da legislação sanitária, no que diz respeito a  apuração de irregularidades.             

De acordo com a farmacêutica, Ana Rafaella Neves, fiscal do Departamento de Fiscalização do CRF-AM, a ação foi realizada com base em denúncias feitas pelos próprios profissionais de enfermagem, que após a implantação do Sistema de Controle de Farmácia (SISFARMA) estão sendo obrigados a dispensar medicamentos, função que deveria ser desempenhada pelo farmacêutico, conforme legislação vigente. “Onde existe medicamentos é necessário que exista a presença de um farmacêutico. A presença dele pode evitar desperdícios, automedicação e interação medicamentosa, erros de dispensação, entre outros”, explica a fiscal. Durante os trabalhos de fiscalização foram identificados, a total ausência do farmacêuticos, a presença de medicamentos controlados dos programas de tuberculose e Dsts, que não estão sendo dispensados, armazenamento feito de forma irregular, entre outras.

Para o presidente do CRF-AM, Dr. Jardel  Silva ação abre um vasto calendário de atividades de fiscalizações que serão realizadas no decorrer de 2018, que visam garantir o cumprimento da lei 13.021 e o papel do farmacêutico na dispensação de qualquer tipo de medicamento. “Estaremos atentos para que o cumprimento da legislação vigente esteja assegurado à população, garantindo o uso necessário, efetivo e seguro de medicamentos. Onde existir a  dispensação de  medicamentos, a presença do  farmacêutico deve ser garantida”, conclui.